Joinville,   [ Indique este Site ]  [ Contato ]  
     

         Home  
         Institucional  
         Serviços  
         Sindicalização  
         Eventos  
         Notícias  
         Convênios  
         Legislação  
         Links Úteis  
         Informativo  
         Contato  
     
 
 
[ Envie esta notícia]  [ Imprimir ]
• Dieese: nível de emprego é bom, mas salários estão baixos

A criação de postos de trabalho e a redução do desemprego não são mais os maiores desafios do mercado de trabalho brasileiro, segundo o economista do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), Sérgio Mendonça. Na opinião dele, o País precisa, agora, priorizar melhorias na qualidade dos empregos já existentes e nos salários pagos.

Segundo Mendonça, a taxa de desemprego recorde divulgada nesta terça-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e o número de vagas criadas no país segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) mostram que o mercado de trabalho no Brasil está aquecido. Apesar disso, disse ele, a remuneração dos trabalhadores ainda é baixa. "Somos um País que, historicamente, tem salários baixos", disse Mendonça à Agência Brasil. "Precisamos melhorar a qualidade dos nossos empregos e o valor dos salários pagos aos trabalhadores para alcançarmos um desenvolvimento social ainda maior."

Segundo Mendonça, 90% dos postos de trabalho criados no Brasil atualmente são formais. Contudo, essas vagas pagam até dois salários mínimos aos trabalhadores (R$ 1.090,00). "Comparado com o salário de outros países, é pouco", complementou o economista. Para melhorar a remuneração dos trabalhadores, Mendonça disse que é fundamental que o País desenvolva setores econômicos que, tradicionalmente, remuneram bem. Entre esses setores, o economista destaca a indústria, o setor financeiro e o de saúde.

Ele disse também que é preciso que o País invista na formação de seus trabalhadores para que as vagas de bons salários possam ser preenchidas. "Ainda temos um problema de formação básica. Precisamos investir na educação", disse Mendonça.

Sobre as perspectivas do mercado de trabalho para os próximos meses, a análise do economista é positiva. Ele afirmou que, no segundo semestre, a geração de vagas geralmente é maior que no primeiro semestre. Ele ressaltou, porém que os resultados consolidados do mercado em 2011 não devem ser tão bons quanto os alcançados no ano passado. "O emprego cresce no segundo semestre. Isso é sazonal", disse Mendonça. "Agora, o desaquecimento da economia como um todo pode fazer com que o crescimento das vagas não seja tão grande quanto o do final do ano passado."

Em 2010, o Brasil criou mais de 2,5 milhões de vagas de trabalho. No primeiro semestre deste ano, segundo o Caged, já foram criados 1,41 milhão de empregos.

Outras notícias
28.02.2014 - Suspensas em todo o país as ações sobre aplicação da TR na correção do FGTS
27.02.2014 - STJ suspende ações que contestam correção do FGTS pela TR
17.02.2014 - Justiça Federal de Joinville nega quase 700 pedidos para repor perdas no FGTS com a inflação
04.02.2014 - Defensoria entra com ação que questiona correção do FGTS